Mostra de Dança Verão: panorama de uma produção local

Comecei a acompanhar  a Mostra  de dança Verão antes mesmo de começar a dançar, lá pelo início dos anos 1990. E o que me chamava a atenção desde aquela época era a oportunidade de ver uma multiplicidade de danças naquelas noites de janeiro. Vários grupos, companhias e escolas de diferentes estilos, ainda que naquela época o balé e dança contemporânea predominassem na programação. Antes mesmo do Porto Verão Alegre apostasse que havia público pra produção local em meio à temporada de férias, o evento da dança já mostrava isso com sucesso em noites lotadas no Teatro Renascença já no comecinho do ano, em janeiro na calorosa Porto Alegre.

De espectador passei a coordenador do Centro de Dança, em 2005, e uma das primeiras ações foi de retomar evento, depois de dois anos de interrupção. Em 2006, voltamos a incluir o evento no calendário cultural da cidade e o novo contexto desde então vem confirmando seu êxito e a amplitude de seu alcance em diversidade e quantidade. A edição que começa nessa quarta feira, dia 9, vai reunir mais de 400 artistas da dança e estudantes, num evento não competitivo onde o que importa é revelar a pluralidade e qualidade da produção feita aqui na capital.

E a programação desse ano ajuda ainda a gente a pensar como essa produção vem se estabelecendo e fornece, a quem quiser ver, um panorama que muitas vezes passa despercebido. E é sobre esse panorama que me interessa analisar e perceber o que revela, nas 82 coreografias selecionadas dentre os 145 trabalhos inscritos. Esse dado quantitativo permite tanto verificar uma significativa produção. Afinal ter quase 150 coreografias aptas a se organizar e ensaiar em pleno período de férias é o final do empenho de uma arte que segue encontrando formas de seguir em frente. E mais do que isso, a afirmação de um mercado de trabalho pulsante, que segue enfrentando os desafios de se manter. Mesmo os que não profissionais atuantes em grupos e cias, são resultado de trabalhos de profissionais que atuam em escolas estaduais, municipais, particulares, centros de formação, projetos sociais. E é bacana ver que esse investimento de profissionais gera essa gama de trabalhos e muitas vezes essa visibilidade ajuda a promover a continuidade dessas iniciativas.

 Mas além da quantidade, temos a afirmação do que os últimos anos vêm revelando: a ampliação da multiplicidade de linguagens e da afirmação de algumas danças que por muito tempo ficavam à margem das programações. Na seleção de 2020 tem obras de balé, danças urbanas, dança contemporânea, jazz, dança do ventre, flamenco, dança inclusiva, dança de salão, dança afro, tap dance, dança cigana e danças folclóricas, incluindo a celta. Tem obras de grupos e escolas profissionais e amadores/estudantis. A dança se multiplicou, encontrou novos segmentos e públicos ou ainda, afirmou outros que ficavam à margem.

E nesse cenário muitos saem ganhando me parece. Afinal na programação aparecem trabalhos de coreógrafos destacados no estado e no país como Rui Moreira que assina Felicidade, para o grupo Diversos Corpos Dançantes e Matheus Brusa criador do solo Identificações, dançado por Gracielli Lattuada. Em cena ainda destacados grupos como Ballet Concerto com  Divertissement, (Diana e Acteon, Talismã e Pas Paysant de Gisele), da grande mestra Victória Milaneze o Tablado Andaluz, da Andrea Franco, patrimônios da nossa capital. Ao lado de novos espaços no a Nova Estação, a Zathus e o Espaço n, entre outros.

A programação revela ainda a força da dança do ventre e tribal com 20 coreografias presentes incluindo artistas como Karine Neves, Aline Mesquita, Bruna Gomes, Nandah Cardoso, Priscila Escobar, Nadima Murad, Fernanda Zahira Razi, Bárbara Kale, Hölle Carogne, Ciane Matte, Silvana Ferrarelli, Anath Nagendra e Mylene Murad. E também revela a significativa participação de trabalhos de dança de salão (Gafieita Club, Oito tempos, Kirinus e Nunes Centro de Dança, Taydancer’s e Naira Anthunes Cia de Dança) e flamenco, superando os trabalhos de balé e até mesmo de danças urbanas que marcam presença assim como o sapateado da Cia Claquê, o jazz da Fernanda Sesterheim e da Carol Danni e as dança cigana de Carmem Rosca, Juliana Lorenzoni.

Aparecem também o resultado de projetos sociais e escolares da periferia com a participação das Escolas Preparatórias Alberto Pasqualini, Liberato Salzano e Loureiro da Silva, assim como Projeto ONG Renascer, da Restinga, com criação de Daniel Santo.

Jovens criadores se alinham também. Uns frutos da nova geração como Tales Sequeira, que dá continuidade ao trabalho já desenvolvido pela mãe Naira Anthunes ou ainda Andressa Pereira e seu pequeno Inácio Pereira, de apenas 8 anos em Run, boy run. Frutos dos cursos de dança de universidades públicas e do Grupo Experimental de Dança, como Paula Finn, Syl Rodrigues, Helena Paz, Escobar Junior, Kynaê Primon, Tainá Barboza, Fernanda Majorczyk. Frutos do investimento na dança em escolas municipais como Iago Poersch, Letícia Santiago, Jéssica Paim  e Eduardo Czerner.

E já passou o tempo de precisar provar que dança não tem idade. E por isso já são presenças esperadas os grupos da melhor idade, como já tradicional CDEG coordenado pelo Edison Garcia, e o Girargirar, coordenado Jaqueline Musse.

Integram ainda a programação o Movimento Meninas Crespas, com Oxum, entre o doce e o ácido, de Perla Santos, onde danças as filhas, mas também dançam as mães, afirmando sua ancestralidade. E está lá também o andarilho conhecido como o “Bailarino de Ipanema” com A bola da vez.

E muito importante também ver que a dança inclusiva não fica apenas restrita a eventos direcionados a esse segmento e traz o Grupo Cênico Coração Balão e o Diversos Corpos Dançantes/UFRGS para cena com os demais grupos e escolas.

Como todo panorama, indica uma série de coisas, o movimento da produção. Importante observar o que esse recorte revela e seguir percebendo o movimento da produção para poder entender e levar em conta esse “retrato” junto com outros, que, se não diz sobre tudo, nos diz sempre muito sobre a dança que aqui se faz, independente que quem goste ou não desse recado. Um recado que é animador e assinala que a dança segue firme, diversa e disposta a abrir espaço e partilhar protagonismos.

Fotos: Nando Espinosa

Dia 9 – Quinta-feira

Estúdio de Dança Maria Cristina Futuro – Aerodynamic – Patrícia Futuro Bittencourt

Escola Preparatória de Dança EMEF Senador Alberto Pasqualini – Fuga – Escobar Junior

Grupo Cênico Coração Balão – Coração Balão – Maria Albers

Anath Nagendra – Melinoë, Deusa da Loucura – Anath Nagendra

Escola Preparatória de Dança EMEF José Loureiro da Silva – Origem – Eduardo Czerner

Grupo de Dança Giragirar  – Wannabe  – Jaqueline Musse

Caleo Alencar e Caru Arisio – Além da Razão – Caleo Alencar

Grupo de Dança Liberato/GDL – De volta ao passado – Letícia Santiago e Jéssica Paim

Grupo Zahira Razi – Dil Gaya – Fernanda Zahira Razi

Andressa Pereira – Prelúdio em Mi Menor, Op. 28, No 4 – Andressa Pereira

Naira Antunes Cia de Dança – Pela própria natureza – Tales Sequeira, Naira Antunes e Tovar Passaia

Escola Preparatória de Dança EMEF Senador Alberto Pasqualini – Esse ano eu não morro – Helena Paz e Italo Ramos

Zathus Espaço de Dança – Let’s Dance – Syl Rodrigues

Tayná Barboza – Before Flight  – Tayná Barboza

Cia Nrty – Pinga Ga Pore – Amelize de Mattos Pereira

Filhas de Biloca no Sul – Origens – Fernanda Machado e Simone Ribeiro

Kristian Galvão Estudio de Danças – Dança do Ventre – Ciane Matte

Tubinos Dance – Tubinos Dance – Clarissa Américo

Escola Preparatória de Dança EMEF Senador Alberto Pasqualini – Noite Estrelada – Iago Poersch

Andressa Pereira e Inácio Pereira – Run boy run – Andressa Pereira e Inácio Pereira

Syl Rodrigues – Afkoms Corpus – Syl Rodrigues

Studio F Cia de Dança – Reencontros – Fernanda Sesterheim

Cia Jovem de Dança de Porto Alegre – Parmi – Driko Oliveira

Dia 10 – Sexta Feira

Diversos Corpos Dançantes – Felicidade – Rui Moreira

Ballet Concerto – “Divertissement” – Victória Milanez

Al-málgama – Caixinha – Bruna Gomes e Paula Trombetta

Aline Mesquita Dança do Ventre – Arab Rock – Aline Mesquita

Espaço N – Páginas diferentes de uma história  – Driko Oliveira

Narciso – Prenúncio – Kynaê Primon

Al Raqs Escola de Danças Árabes – Raks El Amera – Silvana Ferrarelli

Gracielli Lattuada – Identificações – Matheus Brusa

Liberdance – Ligação – Leandro Rosa

Ballet Gisele Meinhardt  – Carmen – Alberto Alonso

Espaço N – e(X)pera – Rafaela Machado

Nova Estação Escola de Artistas – Entre as Partes – Carol Danni Stein

Danç’Arte Escola de Dança – Lovely – Danielle Mescouto

Studio Dançarte com Amor e Arte – Velha Infância – Bruna Borges

Naira Antunes Cia – Skyfall – Tales Sequeira

Palco Espaço de Dança – Carne Viva – Sílvio Falkembach

Kirinus e Nunes Centro de Dança – Alma de Zouk em Opereta Romântica – Edson Nunes, Daniel Bitencourt e Virginia Peixoto

Duo Fiicele Vântului – Dançando com a Alma – Sumaya Circulo das Salamandras

Escola de Dança Karin Ruschel – Falling – Fernanda Santos

Dia 11 – Sábado

Renascer da Restinga – Urban Blue – Daniel Santo

Cia de Dança Edson Garcia – Tango/Samba – Edson Garcia

Hölle Carogne – Black Opium – Hölle Carogne

Taydancer’s – No ritmo da salsa – Tayná Pires

EPD José Loureiro da Silva – Cota – Anderson Mendes, Liane Carvalho, Natasha Mello e Gustavo Conceição

Alma Mater Grupo de Danças  – A alegria da Caravana Cigana do Egito: As ghawazee chegaram  – Gisele Notti, Jéssica Prestes, Magda Vieira, Mara Duarte

Grupo Mandal’azad  – Chandelier – Grupo Mandal’azad

Carmem Rosca – La Vie – Carmem Rosca

Zathus Espaço de Dança – Blackout – Brenda Campos e Carolina Santos

Grupo Trelissa – American Tribal Style – Bárbara Kale

Fernanda Majorczyk – Nostalgia – Fernanda Majorczyk

Gafieira Club/Dança de Salão – Luz de Esperança – Jean Rangel

Espaço de Danças Karine Neves – Tribalize – Karine Neves

Studio Dançarte Com Amor e Arte – Nuestro – Bruna Borges

Studio Verri – El Chama – Bruna Verri

Estúdio de Danças Juliana Lorenzoni – Rumba Gitana – Juliana Lorenzoni

Grupo Zahira Razi – Mulher Kanâ – Fernanda Zahira Razi

Al Hawa – El Leilah – Marina Peretto

Mães Crespas do Movimento Meninas Crespas – Homenagem às baianas da Bahia – Mara Nunes

Dia 12 – Domingo

Escola Tablado Andaluz – Fandangos de Huelva – André Franco

Paula Finn – Julieta en Soleá – Paula Finn

Escola Filhas de Rá – Dark – Priscila Escobar

Estúdio Nandah Cardoso – Mistérios do Oriente – Nandah Cardoso

Slàinte Danças Celtas Brasil – Poutpourri de Danças Celtas – Gisele Notti, Matinahi Miranda, Paola Gama e Luiza Jorge

Cia Claquê  – Igual Diferente de Fato – Cia Claquê

Carmen Pretto Grupo de Dança – Un Aire más vivo – Carmen Pretto

Bailarino de Ipanema – A bola da vez – Bailarino de Ipanema

Al-málgama – Abuso – Bruna Gomes

Movimento Meninas Crespas – Oxum, entre o doce e o ácido – Perla Santos

Priscilla Silvestri Espaço de Dança – Leveza – Priscilla Silvestri

DançArte Estúdio de Dança  – Ritmos do Coração  – Ana Al Zahra

Kristian Galvão Studio de danças – Bons costumes – Ciane Matte

Espaço de Danças Karine Neves – Resilience – Karine Neves

Equipe de Shows Nadima Murad – Fênix – Nadima Murad e Mylene Murad

Cabriolle Studio de Dança | 8 Tempos – Belivier  – Wagner Camargo / Leticia Viana

Estúdio Nandah Cardoso – Chamamé, Alegria da Gauchada  – Nandah Cardoso e Adriano Martins

Grupo de Dança Oito Tempos – Tonix/Soltinho – Cristovão Christianis

Zahara Núcleo de Arte e Cultura Flamenca – Bambera – Andressa Porto

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s