Eva Schul: múltiplas personas dançantes para começar o ano em grande estilo

O ano começa bem, em dose dupla, com as muitas personas dançantes da coreógrafa Eva Schul. No sábado dia 15 tivemos a esteia de Persona – Estudos de criação em obras coreográficas, composta por duas performances: AUTOIMAGEM, com Geórgia Macedo e Viviane Lencina e MACHO HOMEM FRÁGIL, com Eduardo Severino. O projeto teve o financiamento do Pró-cultura RS – Lei de Incentivo e Fundo, Secretária da Cultura – RS. Realização com recursos do Governo do Estado por meio do Pró-cultura RS FAC – Fundo de Apoio à Cultura.

Eva Schul, educadora e artista hábil em formar há décadas corpos que podem se abrir à sua perspectiva criadora nos presenteia com duas maduras e singulares obras. Em Autoimagem temos corpos que não apenas estão no espaço, mas fazem o espaço emergir na dança que vai sendo construída sem pressa e com uma invejável apropriação das intérpretes na organicidade exigida e que vai se desenhando. São imagens que fazem do espelhamento, não um reflexo apenas, mas um outro plano imagético que ressignifica seu referencial. E as duas intérpretes promovem um envolvente e saboroso jogo de imagens fugidias e que parecem promover sua autonomia do mover-se e do se tornar visível.

Outro acerto é o minimalismo cênico que permite uma dramaturgia de corpos que fluem em complexas conexões. Cada gesto acelera, é suspenso, entra em consonância com um outro corpo, faz reviravoltas, pausa. Tudo com uma inteligência de movimento que só a maturidade permite preparar e fazer se expressar. Geórgia e Viviane vivenciam uma simbiose encantadora, ao som da trilha sonora enigmática, refratária e abissal de Thiago Ramil. Elas se unem e se perdem nesse espaço que levantam e desmoronam e que se multiplica e fragmenta em espelhos distribuídos no alto do palco.

Macho homem frágil, por sua vez, já traz no seu título a tensão que coloca o homem entre uma construção de masculinidade idealizada e viril e junto dele o seu contorno mais vulnerável. esse exercício É de grande relevância e oportunidade em tempos atuais. Seja por ser produzido em terras do ideal gaúcho que reforça um perfil vinculado a lutas, batalhas e enfrentamentos que tem a força e um bocado de brutalidade como símbolo. Ou por surgir num país ainda homofóbico e com altos índices de feminicídios.

A performance de Eduardo Severino é de um requintada construção. O discurso dessa (des)construção vem pela maturidade de um bailarino que sabe transitar pelo movimento de um corpo que se move de maneira inteligente, sensível, crítica e irreverente. Edu toma conta do espaço e o revira. Sabe ser firme e forte em cada gesto e o conduzir para sutis, delicadas e suaves configurações. Com sua dança, Eva e Edu criam um plural mosaico de identidades possíveis para o que possa ser homem. A cada instante dançado vamos percebendo os muitos possíveis homens que cada um carrega e mobiliza.

Um exercício de uma clareza ímpar e muito bem elaborada que se trama na economia de elementos usados na medida como a cenografia, iluminação, figurinos e a trilha de Felipe Azevedo que entende a proposta e delineia esse universo sonoramente, sem se impor, como mais uma faceta desse universo. A performance se encerra e ficamos com a preciosa imagem daquele homem que dança de chifres. Meio viking, meio touro, meio destaque alegórico de alguma carnavalização desse corpo que pode ser o que quiser, sem redução a padrões e rótulos empobrecedores.

Duas obras e um discurso que reverbera toda ambiguidade do que somos e podemos ser. Um exercício tão limpo e íntegro! Que 2022 siga sob o signo de criações instigantes, políticas e poéticas como essas. Vale clicar e conferir!

Ficha Técnica

AUTOIMAGEM

Direção: Eva Schul

Bailarinas criadoras: Geórgia Macedo e Viviane Lencina

Trilha sonora: Thiago Ramil

Cenógrafa: Natalia Schul

Cenotécnico: Rodrigo Shalako

Desenho de Luz e operação: Guto Grecca

Operação de Som: Driko Oliveira

Captação de Imagem: Isabel Ramil e Leo Cabeoli

Edição de Imagem: Isabel Ramil

Arte Gráfica: André Varela

Fotos: João Mattos

Assessoria de Imprensa e Mídias Sociais: Creuza Barreto

Produção: Eduardo Severino e Viviane Lencina

MACHO HOMEM FRÁGIL

Direção: Eva Schul

Bailarino criador: Eduardo Severino

Trilha sonora: Felipe Azevedo

Cenografia: Eva Schul e Mano Ribeiro

Cenotécnico: Mano Ribeiro

Desenho de Luz e operação: Guto Grecca

Operação de Som: Driko Oliveira

Captação de Imagem: Isabel Ramil e Leo Cabeoli

Edição de Imagem: Leo Cabeoli

Arte Gráfica: André Varela

Fotos: João Mattos

Assessoria de Imprensa e Mídias Sociais: Creuza Barreto

Produção: Eduardo Severino e Viviane Lencina

Um comentário sobre “Eva Schul: múltiplas personas dançantes para começar o ano em grande estilo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s