quero saber quem sou quando nela estiver

A frase título do escritor José Saramago foi uma das provocações de um grupo de artistas de Porto Alegre que me trouxe até aqui e me levou até uma inesperada viagem num sábado vespertino de agosto. Num agosto de 2019 comecei o blog centatxt com a publicação de um comentário sobre Tiger balm do Coletivo Grupelho https://txtcena.art.blog/2019/08/03/example-post/ e olha que três anos depois uma nova montagem me convoca a uma nova escrita. Dessa vez o bálsamo pós pandemia é Ilha, apresentado no pátio do Arquivo Histórico Moysés Vellinho numa tarde ensolarada de sábado com uma boa dezena de espectadores/náufragos povoando esse território artístico cercado de um mar de arte e afetos sensíveis.

O acerto é já o começo em que a bailarina-polvo vai formando um cordão humano dançando. Um monte de gente de mãos dadas (com luvas distribuídas) bailando, traçando percursos lineares, espiralados, circulares, ritmados, subindo escadarias e inclinações do terreno.
E entre os casarões antigos do século XIX, os intérpretes vão se empurrando, espremidos, achando espaço entre eles para avançarem enquanto vão sendo emoldurados por aves no céu e árvores de copas altas e cupins alados bem pouco intimidados. O espaço é imenso e percebemos o quanto nos pode oprimir, condicionados a passar a frente um dos outros, numa ânsia de chegar primeiro a não se sabe onde.


Quando separam-se, ouvimos de cada uma das fontes sonoras portáteis acopladas a seus corpos, histórias narradas sobre cotidianas situações de pessoas comuns vagando na vida das grandes cidades. Pelo pátio Bruno da Rosa Cunha, Débora Poitevin, Janaína Ferrari, Bruna Chiesa e Roberta Fofonka. Pequenos fragmentos de gente desorientada em algum lugar por vezes tão conhecido.

E eis que um sinalizador é disparado e uma cortina de fumaça rosácea se espalha nos céu. Quase ao mesmo tempo que um enorme lençol cor de rosa dança pelo ar e sobre todes até repousar no gramado. A convidativa voz-canção de Patrícia Nardelli nos faz aninhar sobre esse leito e ali, muitos estranhos, irmanarmos até mesmo sonolentos. E não é que parecia um ninho mesmo? E a gente descansando no leito do tempo.

No material de divulgação nas redes sociais a proposta inspiradora: “Ilha, é um espetáculo que se move, que brinca de se perder e se encontrar ocupando os espaços urbanos e criando um espaço-tempo imaginário, coletivo e contemplativo no momento do encontro com o público.” Como não sair encharcado dessa experiência ? Como não aplaudir esse punhado de terra-arte que nos recolheu até nossas embarcações nos levarem para longe de novo? O Coletivo Grupelho, nasceu do encontro de ex integrantes do Grupo Experimental de Dança GED e firma-se na cena artística, assim sutil, irreversível e irremediavelmente. Dessa vez impedindo de nos afogarmos nas águas do esquecimento de tudo que ainda nos une e fortalece.

https://www.instagram.com/p/Cgz7Q_RjtPP/ Um pouquinho pra conferir!!!! E aguardar a próxima temporada, afinal estamos num Porto, sempre prontos a partir. Boa viagem!

Elenco e direção

Bruna Chiesa
Bruno da Rosa Cunha
Débora Poitevin Cardoso
Janaína Ferrari
Roberta Fofonka

Trilha sonora
Música “Entidade Absoluta”, por
Patrícia Nardelli e Wagner Menezes

Figurino
Graça Ferrari
Janaína Ferrari

Design de acessório
Vicky Fernandez

Operação de drone
Yuri Boelter

Produção
Coletivo Grupelho

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s