Minha vida é um conto de falhas

#frame1

Sábado chuvoso em Porto Alegre. Sujeito atravessa poças da avenida José Bonifácio por entre resquícios de comemorações e protestos ao Independence Day e dobra na Travessa da Paz.

#frame 2

O local, Galeria La Photo está cheio de espectadores. Muito cheio. Um crítico teatral renomado sorri.

#frame 3

A chuva aumenta muito de intensidade. O espetáculo começa. Os atores competem com o som da chuva caindo no telhado.

#frame 4

um espectador saca sua pistola

 #frame 9

o xerife olha de solsaio,

#frame 32

a garçonete fala pras mesas vazias

#frame 13

uma palestrante borra toda sua maquiagem,

#frame 122

livros são espalhados pelo chão/ todos correm

#frame 45

luzes coloridas giram alguém anuncia que acabou

#frame 5

o espectador fica sentado enquanto todos saem

#frame 67

A palestrante tirando a peruca beija o espectador

Sim é assim que saí do espetáculo Frames, apresentado na galeria La Photo, no dia sete de setembro, numa Porto Alegre cinzenta e úmida, entre comemorações patrióticas descabidas, atos de censura autoritária e protestos de luto por tudo que segue tentando nos intimidar. Pois então, que, depois de enfrentar o temporal, saí com vontade de seguir dando espaço pra invenção e criação. Uma vontade que ganhou aliados e se fez mais potente.

A montagem tem vários méritos como isso que provoca em nós e isso acontece por que? Porque reafirma o La Photo como um espaço independente que segue resistindo pela determinação da Regina Protskof. Porque se dispõe a descobrir e tornar viável também novos modos de produção. Porque reúne super profissionais da Cia INCOMODE-TE. Porque  encontra espaço pra inventividade ativa em tempos de paralisia e medo. Porque mostra tudo que move a cena, com aquele monte de gente lotando a apresentação, quando podiam estar assistindo ao Jornal Nacional.

Frames é resultado da primeira montagem da Fábrica de Experiências Cênicas, projeto que buscou unir um grupo de profissionais interessados em montar um espetáculo de teatro profissional, e juntos, financiar esse desejo. Cada um deu uma parte do valor necessário, e, agora os “alunos-investidores” estão recebendo de volta uma parcela do que investiram com a bilheteria do espetáculo. As aulas-ensaio dessa edição foram ministradas pelos atores e diretores Carlos Ramiro Fensterseifer e Liane Venturella, e pelo dramaturgo Diones Camargo,

E o resultado disso tudo é uma montagem dinâmica, inteligente e bem humorada. Ao brincar com a ideia dos frames cinematográficos e sua (des)ordenação possível, o autor tece um jogo de gêneros que mesclam faroeste com melodrama, ação com comédia, aventura com documentário. E isso poderia ser uma cilada se não fosse a direção lúdica e lúcida de Carlos Ramiro Fensterseifer que consegue dar ritmo às cenas, medida certeira nos recursos de vídeo e valor ao jogo que se estabelece. Tudo isso consegue ganhar corpo com a direção de atores de Liane Venturela e direção coreográfica de Raul Voges, que superaram algumas fragilidades individuais para fazer um coletivo que funciona e se joga.

O que não impede que a atriz Fernanda Petit literalmente, deite e role com sua Palestrante. Uma escritora-barbie-deseludida dopada de anfetaminas ou coisas do gênero, dentro de um difícil exercício de interpretar no meio de um surto. Uma bomba cênica a ser detonada a qualquer instante.

Assim vamos sendo envolvidos por uma coletânea de cenas inverossímeis que parecem até fazer sentido no caótico mundo contemporâneo no qual verdades e fakenews se misturam se pudor, numa orgia semiótica autorizada e estimulada por todos os lados. O texto de Diones Camargo traz respingos de Robert Altman, de David Lynch, de Billy Wilder e nos obriga a um contínuo exercício de falsas convicções. Afinal, como na camiseta da personagem, nossa vida não seria um verdadeiro conto de falhas? Falha a memória, falha o coração, falha a razão, falha da percepção. Deliciosas e necessárias falhas que não impedem a gente de estar junto, e acreditar que é possível superar tudo que queria nos fazer um só.

texto: Diones Camargo

Direção: Carlos Ramiro Fensterseifer

Direção de atores: Liane Venturella

Direção Coreográfica: Raul Voges

Elenco: Elison Couto, Fernanda Petit, Gabriel Messias, Gabriela Iablonovski, Henrique Araújo, Henrique Lago, Lucas Prado, Martina Pilau,  Natália Ferreira, Pâmela Mânica, Odila Bohrer, Sibele Garroni, Zé Passos

Iluminação: Nara Maia

Trilha Sonora: Ian Ramil

Cenografia e produção de arte: Valeria Verba e Sheila Marafon

Vídeos: Maurício Casiraghi

Figurinos: Carlos Ramiro Fensterseifer

Assistentes de figurinos: Liane Venturella e Titi Lopes

Produção: Carlos Ramiro Fensterseifer e Regina Protskof

Fotografia: Regina Protskof

Assessoria de imprensa: Léo Sant’Anna

Design Gráfico: Jéssica Barbosa e Henrique Lago Realização: Galeria La Photo

Realização: Galeria La Photo e INCOMODE-TE �

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s